diHITT - Notícias PARAneura
terça-feira, 27 de outubro de 2015 1 PARA comentar

PARA Quem tem saudades

Matando a vontade de juntar palavras......
O dia as vezes é cinza, ela olha e vê tantos desafetos, tantos amores que cruzariam 1000 anos se desfazendo na palavra não dita de um só minuto. Ela vê olhos e corações tristes marcados pelas pequenas visitas da esperada felicidade. Ela vê ganância e poder vencendo a bondade e o amor. Ainda bem que existem cordões que desfazem os nós da escuridão. Ela vê beijos roubados, abraços fraternos de amigos que são grandes irmãos, ela escuta o obrigado, o som de gargalhadas gostosas de crianças e as histórias antigas que quem quer viver bem mais que 1000 anos. O afeto,o bom dia, um café, um abraço, um afago, um beijo só por ter vontade. Ela vê que o sol ainda pode nascer e que o amor vai além de anos, tempos humanos, nós somos o amor e enquanto existir o querer, ainda andaremos de mãos dadas. Ela pode sentir, o sol nascerá!
Nathy Costa!
domingo, 9 de novembro de 2014 3 PARA comentar

PARA quem não me leu!

Aos amigos que me esperaram!

Quase 1 ano sem PARAneurar, sem me encontrar  em meio as palavras confusas e desconexas. No sublime da alegria não me entreguei as minhas fieis confidentes; palavras minhas. No profundo desespero da tristeza , do sussurrar de medo não as busquei, minhas palavras caladas, mas me entreguei ao sono esperando que ele me tirasse o fardo.
Volto a escrever.
Palavra minha que fere , que toma forma de lança e brasa.
Palavra minha de dor,  dor no corpo, dor da alma, dor do inconformismo que me suga a cada volta na esquina.
Palavra minha de tristeza sem causa, sem alma, sem justo juiz, de fundo de poço, de desespero gritado, de lágrimas que são arrancadas de meus olhos pelo olhos de outros.
Palavra minha de zelo, de gratidão aos meus cuidadores que me cercam de laços, para eu ter linha traçada e certeira.
Palavra minha de amor, amor selvagem que me arranca os sentidos, de compaixão que me eleva a uma condição maior que eu estou, amor carnal, amor animal, amor real e ilusório, afinal amor e construção em desconstrução.
Palavra que não é mais minha que é de todo aquele que sente, que ouve , que grita desafinado e se joga sem rede no abismo que é o sentir.
Palavras nossas, que nos fazem mais gente, menos corpo, mais expansão de olhos, cheiros, tato, contato, nos desarmando de nossas próprias armadilhas.
Nossas palavras são aquilo que somos e que  talvez queremos ser, não podem ser apagadas, porque são elas que dão sentido as inconsistências que chamamos de vida.
Desculpe nobre leitor pela confusão de tantas palavras, mais quero todas em um mesmo espaço e disso faço uma bagunça que se entremeia dentro de mim.

Obrigado por me ler e ler você através daquilo que está sendo escrito a cada momento, a cada respirar seu, já não importa em que voz eu escrevo, eu tenho a sua voz, porque você tem as minhas palavras na boca!
Bom PARAneurar de novo!

Com Carinho   

Nathy!
sábado, 9 de novembro de 2013 4 PARA comentar

PARA O sentimento mais bonito

  E quem lê os textos, sabe que um dia Ele nasceu em minhas historias, Ele junto com Ela formam um casal que descobriu onde o sentimento mais bonito está.

Dedico esse texto para Leonardo Luiz Lima.... enfim Ele tomou forma e corpo..........



Ela de olhos entre meio abertos, ainda consegue pensar, suas pernas e braços já não respondem tão bem quando tinha lá seus 25 anos, por isso prefere escrever ali... , quieta na noite como fazia a anos atras. Hoje já não tem muitas coisas, mas o precioso guarda em sua memoria, as lembranças  de uma vida, de uma estrada. Escuta através dos pensamentos, os gritos de sua mãe quando ficava mais de cinco minutos no chuveiro, as piadas de seu pai sobre seu cabelo embaraçado   e de toda uma vida de cumplicidade com os seus. A mente confusa lhe trazia flashes de muitos instantes de sua vida, recordou gargalhadas e viu muitas lágrimas espalhadas pela sala de estar. Até que em meio a tanta coisa confusa, a vida e o tempo foram coniventes com um reencontro.....

Uma noite, e Ela saiu, sem amor, sem auto estima, sem  cheiro e com grito, o viu no andar de cima, Ele sorria e naquele momento ele lhe deu uma canção. Nunca mais foi igual, a distancia de dias, meses, tornou incerto algo que não tinha chance de acontecer, mas o destino sempre ajuda quem precisa viver mais e sentir mais, Ela precisava sentir, e precisava saber que alguém no mundo também sentia.

Dias e brincadeiras, madrugadas de tristeza, suspiros de saudade, momentos de prazer e alegria, um sorriso que fazia o outro chorar, sorvete na roupa, dança na chuva, solos de guitarra, violão na rua, comida de domingo, sessao cinema  anos 80, abraço leve, abraço de urso, toques, gemidos, compaixão, ternura, mulher, homem, e sonhos.... Ele a tentava convencer da felicidade e Ela achava que não era verdade, que não era digna e que não seria capaz de receber o sentimento mais bonito.

Mente escura, tropeços , erros e choros, Ela precisava cair, Ela precisava errar  mas Ele estava lá, ela enfermou, emudeceu, perdeu a cor e os sentidos, mas Ele estava lá, Ela arrancou seu coração , Ela fez a doer ser verdade, mas Ele estava lá, ela quebrou o perfeito, entortou o certo, e Ele ainda estava lá e quando  Ela não o viu, viu mais que uma ausência, sentiu a permanência da angustia de sentir o amor mais bonito vestido de cinzas.

Correu, tremeu, sofreu e estremeceu, onde estava suas mãos?... já não tinha duas, onde estava seu sorriso?  extinto pelo medo de não ver mais, o motivo de seus estados de alegria. Sem nada, no chão, não mais no ar apenas se calou e sofreu..

Ela só não sabia que precisava viver ainda mais e Ela não o viu , mas Ele sempre esteve lá, correu para seu lugar.. os braços do amor de uma vida de sempres... Não mais emudeceu de dor, mas de amor, sim era amor, era coisa de Deus, era fruto sagrado, anjos e flores cercavam o amor presente, o amor que fazia os corpos serem um, a musica ser constante, ter magia. Conheceram animais segredos, mundos de outros mundos e Ela enfim percebeu no instante de um sorriso o peso e valor do sentimento mais bonito.... o amor


Eles se amaram, não era Ele e Ela, eram ELES,NÓS.. não sei se casaram, não posso dizer que tiveram casa nem filhos, na verdade Ela não me disse nada, só sorriu e porque desse sorriso brotavam lágrimas que traziam a felicidade..


De volta aos seus muitos anos de idade, com verdade no olhar, Ela ainda escrevia todo dia para Ele, o homem de sua vida, aquele que escreveu seus anos mais felizes, sua história mais bonita, tecia vestidos de sonhos pra Ela e era possível sempre fechar os olhos e o ver nos ares com uma guitarra vermelha sorrindo pra ela, em uma noite preparada por anjos.


Assim aconteceu Ela que não tinha certeza de nada, viveu a unica certeza da sua vida.. Ele a acolhendo em seus braços e dizendo.. Te amo anjinho...


A historia mais bonita, o sentimento mais bonito.. Ele e Ela.. enquanto durar o sempre.
segunda-feira, 23 de setembro de 2013 0 PARA comentar

PARA um instante!

"À duração da minha existência dou uma significação oculta que me ultrapassa. Sou um ser concomitante: reúno em mim o tempo passado, o presente e o futuro, o tempo que lateja no tique-taque dos relógios."Clarice Lispector


O  amor não era como antes, o gosto da fruta já não estava mais na boca, o desvario não era desmedido, não crescia, as vozes quase emudeceram, pois nossos peitos já não sangravam pela mesma madrugada.
Em meio a apatia de deixar ir, parei de frente ao espelho e vi minhas rugas, elas estavam mais presentes do que antes, o tempo fez questão de me marcar com sinais, sentimentos gravados na pele, a felicidade de momentos, o sofrer pelo que não era meu, o sorrir pelo que vivi.... Tudo estava ali, meu rosto, meu corpo, matéria passageira de uma alma quieta na noite de hoje.

Arrumo as malas, mais as deixo para traz, não se precisa de muito, lanço-me em disparada, em meio ao caos do mundo respiro o cheiro de outros tempos, de um novo tempo e entre o medo e o prazer, não penso muito, só sigo sem olhar para traz, afinal de contas sou um instante que está passando.........
domingo, 2 de junho de 2013 0 PARA comentar

PARA um ou dois ecos

na madrugada palavras soltas percorrem minha mente.. nó na garganta, melodia triste... ecos do meu peito e escrevo, busco o perdido dentro de mim.. ...............aquela saudade grande, que de tão grande não cabe no peito, escorre nos olhos, faz o tempo parar no momento que abri a porta e disse vem..

Nathy Costa
sábado, 23 de fevereiro de 2013 2 PARA comentar

PARA um braço torto

  E  de repente ela não era um corpo inteiro, já não representava um organismo, um ser que pensa, que vive, que sente, que ama e que sofre. Ela era um braço torto, apenas um braço torto.

Eles não viram sua vida, suas historias, seus sonhos, sua liberdade e vontade de mudar as coisas, viram apenas um braço torto e logo disseram: --- Este não serve para nós.

Os olhos, os atos dos outros, fazem dela então apenas uma vitima?

Não, ela quer ser mais, ela quer lutar, quer falar aos sete cantos que não é apenas um braço, ela é uma mulher inteira, ela é uma alma livre, ela é gente.


Ela é mulher, uma forasteira, uma sonhadora que quer viver com dignidade.

Pena não causa redenção, preconceito é a supremacia da ignorância e incapacidade é daqueles que a enxergam incompleta.

Nessas letras estão um grito, uma vontade, uma bandeira que ela sempre vai carregar.

Ser diferente não é ser menor ou incapaz, ser diferente é uma responsabilidade de fazer mais, de fazer sempre, de fazer por mim , por ela e para todos.
sábado, 16 de fevereiro de 2013 0 PARA comentar

PARA uma língua a seu dispor

De dia ela o chama de safado, o acusa de corromper os bons costumes. Ela o ataca com as farpas bem colocadas de sua língua.
----- Como pode um homem trair a esposa, sair para a boêmia, transitar entre os errantes e depois trazer a sujeira da rua para o lar imaculado.
 O discurso da senhora robusta e de faces coradas não mudava muito entre o passar dos dias.


Pela noite ela o chamava, deixava-o entrar em seus aposentos, afofava os lençóis e com fagulhas bem colocadas em sua língua dizia: ----- Como pode demorar tanto tempo a vir me fazer feliz, se una a mim e me faça esquecer de sua dona e do meu fardo, apenas me ame com delicadeza e grosseria e depois de tudo deixe o quarto antes do clarão do sol.


E  assim os dias se arrastavam e a noite escapava traiçoeira pelo relógio. A dona robusta o amaldiçoava na claridade, para que não soubessem que ela já estava morta e era seu adorado devasso  que a revivia na escuridão das madrugadas.
segunda-feira, 31 de dezembro de 2012 1 PARA comentar

PARA dezembro 31

 Dia 31  eu faço aniversário,  mas é também o ultimo dia do ano, eu sempre acabo pensando nas coisas que eu fiz, no ano que passou e na sorte de fazer aniversário em uma data tão  bagunçada rs. Esse ano foi um dos anos mais difíceis da minha vida, coisas não deram certo, erros, choros, mas também teve coisas bacanas, momentos felizes que não posso deletar da minha vida, só porque houveram muitas decepções. Acho que o que fica é o amor que muitos tiveram por mim, esse ano muita gente me segurou, muita gente me abraçou, muita gente me fez rir, muita gente não  deixou que eu me abatesse. Agradeço a todos e também a todo mundo que passou no PARANEURA, escrever me deu muitas forças e saber que alguém lê e gosta do que eu escrevo, faz de mim alguém mais feliz. Um 2012 na lembrança e um 2013 em branco, cheio de espaço PARA fazer melhor, PARA fazer diferente, PARA fazer feliz!!!!!!!!!!!!


FELIZ 2013!
sábado, 1 de dezembro de 2012 3 PARA comentar

PARA antes da noite

Dizem do negro, do úmido, do escuro e tudo é tristeza.
Ainda estou no branco, no seco e no claro, tudo ainda é tristeza.
Parece um corpo sem alma, uma mente cansada.
E a voz que diz : ---- Eu não aguento mais......
O  amor que se foi e os sonhos, e as letras da tal felicidade nem passaram por aqui.

Dizem que falar de tristeza é chato,mas não há mais nada o que dizer.

Estou no pó, estou só , estou aqui esperando o breu chegar.

Me salve antes da noite.
quinta-feira, 15 de novembro de 2012 6 PARA comentar

PARA ser feliz



 Acho que esse texto fecha o ciclo de Ela, Ela me acompanhou na descoberta da minha humanidade e pintou de cinza minhas madrugadas. Talvez Ela apareça ou talvez nunca saia daqui, porque Ela está em mim.


Ela não quer a fama dos astros.... nem precisa de dinheiro, pra falar a verdade nem gosta muito de dinheiro.

Ela não busca títulos, nem prêmios que lhe dêem prestigio...

Sua felicidade não está ai.

 Ela não quer uma vida de boas aparências, nem deseja o que  todos os bons almejam,  não é assim que ela verá o céu.

Ela não quer seguir as linhas prontas que alguns desenharam, não quer andar por passos já dados, nem satisfazer as vontades dos que nasceram antes.

Sua felicidade não está ai.

Ela não quer ser amada por todos, nem quer ser amada por um, não quer frases prontas de amor, nem uma casa branca com flores na janela.

Sua felicidade não está ai.


Ela seria feliz com um pouco, não que seja uma franciscana, mas seria tanto que nada poderia ser item de comparação.

Ela seria feliz no acaso de uma ou duas vidas, seria feliz se o hoje fosse uma surpresa, o feliz de agora, do instante em que ela digita essas linhas mal formadas.

Sua felicidade pode estar ai.

Seria feliz com um braço debaixo de sua cabeça e uma mão acariciando seus cabelos, talvez a chamasse de menina e contasse piadas no chuveiro, que escorreriam pelo seu corpo, no instante exato em que as águas a lavassem por dentro.


Ela seria feliz com um pouco de estrelas, com algumas palavras jogadas ao vento, com uma rede em chão negro.


E se dissessem que Ela fantasia demais, que não vive a realidade. Ela talvez responda que é melhor então viver a vida fantasiando  coisas que à faz feliz.

A construção da felicidade Dela é realizada através de suspiros, de desejos de igualdade, de sorrisos frouxos, de pouca rotina e de um despertador silencioso, que dê tempo para o amor ao acordar.


Pode ser que Ela seja feliz.

E se dissessem que Ela é louca. Ela talvez responda que enxerga mais que preto e branco, pinta algumas cores que são de uma paleta de uma só cor.


No mais Ela  não quer a felicidade que está a venda  nas prateleiras de supermercado, não quer ter código de barra para sorrir.

 Ela só quer ter o pouco que eles não permitem, Quer ser feliz de graça, sem ouro nem prata, pisando na terra e sentindo o cheiro do vento de terras além daqui.



 
;